segunda-feira, 21 de novembro de 2011

AMIGO MUSICAL CONVIDADO # 38 - Eddy Fernandes!




Diria Walter de Azevedo: "é a vez do insuportável Eddy Fernandes!"

Será que ele é tão insuportável assim? :D

Existem pessoas na vida que simplesmente "seguimos". Em era de Twitter, fica melhor de entender a afirmação, porém no caso do Eddy, acompanhá-lo apenas pela rede social é muito pouco. Muito pouco pro tanto que o garoto é, pois é gente pra se fazer contato pra vida inteira!!. 

Eddy tem um talento único pra escrita (jovem com ares de profissional consagrado), também atua nas horas vagas (eu adoraria achar o vídeo em que desempenha seu lado ator, todo trabalhado na oficina "Sex Appeal" de interpretação pra postar aqui!), e é dono de um humor inteligentíssimo, aliado a um sarcasmo brilhante e ostenta quase sempre um semblante divertido, daqueles que estão prontos a toda hora pra despertar risos. Mas sua transparência lhe denuncia também nos momentos mais tristonhos, exatamente nos quais opta por ficar mais quieto e soltar frases filosóficas de efeito subjetivo. E as pessoas percebem. Percebem pois, como falei, o menino é transparente e essa é, pra mim, a principal característica que posso usar para defini-lo. Tem como não amar?

Pra fechar a introdução, o rapaz de Manaus-AM prova que tem sensibilidade acentuada também com o excelente relato musical abaixo.

E continuemos a segui-lo. Por todos os meios possíveis! ;)





É meio difícil ponderar o que te marca. Ainda mais em se tratando de música, um assunto tão subjetivo. Eu, particularmente, tive grande dificuldade em eleger uma única canção sobre que falar aqui no EnTHulho. Não que eu preencha os requisitos do óbvio, só me abastecendo dos hits pop do momento. Muito pelo contrário. Fui criado ao som de MPB. No meu mingau matinal, boas doses de Elis Regina eram dissolvidas; as minhas canções de ninar saíam da voz de Chico Buarque; e as estripulias da tarde eram embaladas por gente como Caetano e Nara Leão.
Devo essa erudição musical a meu pai, grande conhecedor da bossa nova, um verdadeiro gentleman com faro fino pra coisa boa. Partindo deste princípio, até poderia escolher uma dessas canções, mas sinto que nenhuma delas, embora importantíssimas pra mim, justificam a minha presença nesta seção. Afinal, um Amigo Musical deve falar sobre aquela música que lhe toque a alma, que lhe remeta imediatamente a alguma passagem de sua vida, a alguma pessoa, a algum momento. Portanto, elejo como minha canção favorita de todos os tempos: “Só pro meu Prazer”, na voz indefectível de Leoni.
Esta música, gravada originalmente nos anos 80 pelo grupo de rock Heróis da Resistência, tem uma pegada mais hard. Nada contra as canções agitadas, acho elas ótimas, mas devo ter uma balzaca solteirona habitando meu chakras, porque sempre me sinto inclinado a gostar das canções românticas. Em que pese que não escolhi essa música por se tratar de um melô lovesick, nem nunca tive nenhum dos meus parcos relacionamentos amorosos embalados pela voz de Leoni. Escolhi porque sempre recorro a ela, porque olho para trás e me vejo ouvindo-a em diversas situações. De alegria, de tristeza, de dúvida, de medo. Acho que uma música marcante deve ser assim. Deve estar permeando a sua vida, te fazendo refletir, chorar, rir. E há também um significado um tanto mais lúdico, que eu não sei se faz sentido, mas que tem a ver com a minha interpretação da letra. Olhem só:

Não fala nada
Deixa tudo assim por mim
Eu não me importo
Se nós não somos bem assim
É tudo real as minhas mentiras
Noite e dia se completam
O nosso amor e ódio eterno
Eu te imagino, eu te conserto
Eu faço a cena que eu quiser

Eu tiro a roupa pra você
Minha maior ficção de amor
Eu te recriei, só pro meu prazer
Só pro meu prazer
Não vem agora com essas insinuações
Dos seus defeitos ou de algum medo normal
Será que você, não é nada que eu penso
Também se não for
Não me faz mal
Não me faz mal não...




Esses trechos que eu sublinhei, dentro desse contexto lacrimejante, nos levam imediatamente a uma metáfora do relacionamento. Mas eu acho que tem mais a ver com a ilusão. E não só no campo amoroso. A vida é assim, um amontoado de ilusões. De idéias que a gente faz de determinada coisa, de expectativas que a gente põe em cima de algum projeto. E fala do humano, também. De como, no fundo, somos indefesos, pequenininhos. De quanto os sentimentos arranham a nossa lataria. De como estamos, permanentemente ligados à opinião alheia. De como queremos agradar, pertencer. 


Mas, enfim. É o que eu penso. E aí? Vocês concordam?


                                                                                                             
                                              Eddy Fernandes, Manaus, AM


Precisa dizer mais ou postar algo? Só ouvir...e sentir! Obrigado pela participação, queridão!


5 comentários:

  1. Eddy, adorei a escolha, garoto! Eu amo essa música, super 80, emblemática mesmo, né? Mas eu devo confessar: na parte do "eu te recriei só pro eu prazer" eu entendia - e cantava - "eu de DEPILEI só pro meu prazer..." Rs

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Eddy, lindo seu texto.

    ResponderExcluir
  3. Eddy foi muito bem definido em sua introdução TH, eu mesmo com pouco contato, observando apenax, tenho essa impressão!
    Lindo texto.

    ResponderExcluir
  4. Totalmente de acordo, Eddy!! Um prazer acompanhar a tua interpretação da música. Não sei se há uma "balzaca solteirona habitando teu chakras", não... Enxergo, antes, uma aura de desejo e enamorada.

    THiago: um abraço e faça chegar ao teu amigo este recado, por favor.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...