sexta-feira, 30 de julho de 2010

RANKING - ATUALIZAÇÃO MENSAL (Julho 2010) (30/07)



Antes de tudo, gostaria de deixar registrado o quanto esse mês de Julho foi especial pra mim. Para quem me conhece, sabe que tenho uma verdadeira paixão por Jornalismo e que tinha sido meu primeiro curso, até eu trancar e passar para Direito. Não sou um profissional jurídico realizado, faço por obrigação e este blogue mostra que minha primeira escolha era mesmo a real vocação, pois nele exerço despretensiosamente Jornalismo unindo-o a outra grande paixão, que é a música brasileira. Muito mais que um hobby, escrever pro EnTHulho é uma verdadeira terapia e um lampejo de prazer profissional que não tenho ao advogar...
Justamente, neste Julho de 2010, os primeiros reconhecimentos desse empreendimento caseiro e amador aconteceram. Os posts dos 20 anos da morte de Cazuza e o especial sobre o dia do rock foram publicados num jornal daqui, Tribuna de Alagoas, respectivamente nos Domingos 11 e 17, como matérias principais do caderno "Diversão & Arte" (agradecimentos a João Dionísio, editor chefe que leu as matérias e pediu a autorização para publicá-las). Além disso, meu blog foi selecionado pra segunda fase do concurso de blogs da comunidade "Eu Tenho Um Blog). A categoria foi entretenimento e agradeço aos jurados pela indicação. Soma-se a todas essas alegrias o número de acessos ao blog, que praticamente triplicou!
Para não me estender demais, um muitíssimo obrigado a todos que ajudaram a manter o nosso EnTHulho no ar, pois comentários e elogios sempre são combustíveis para a empolgação e a alegria de continuar atualizando. Como costumo dizer, a música une mesmo as pessoas e o EnTHulho sempre terá essa função! Fico muito feliz com tudo isso, e torço para que as boas vibrações de Julho permaneçam por todo o resto do ano, para todos nós! Sinto que vem muita coisa boa por aí.
Valeu pessoal! :)


Uma vez alguém me perguntou se eu fazia esse Ranking de um a um, de posição a posição, todo santo mês e a resposta é SIM! Rs...não tenho conhecimento de informática necessário para saber se há alguma maneira mais prática, logo vou fazendo todos os tópicos pacientemente, bem devagar, pra não errar. Levo em torno de 1 hora e meia a duas, mas eu ADORO! Sinto prazer em atualizar todos os postos, calcular quantas posições determinado artista subiu ou caiu. É uma das minhas 'loucuras sadias', não liguem! rs

Julho predominante pra "macharada" , pois tivemos bem mais cantores do que cantoras. O rock, em seu mês comemorativo, predominou, com Engenheiros do Hawaii e Barão Vermelho, além de todas as bandas que apareceram no post do dia do rock e de Cazuza, que teve sua matéria-solo. A estreia da sessão "Tema de Novela" promete mesmo resgatar grandes temas de nossa teledramaturgia e emocionar nossas vidas tal qual a dos personagens que costumamos amar tanto. Pernambuco se fez bem presente por essas bandas graças a Otto e Cordel do Fogo Encantado; e os Amigos Musicais Convidados mandaram muitissimo bem, com Adoniran Barbosa, Clara Nunes, Ivan Lins e Toquinho. Riquíssimos!


Legenda:

Azul claro: estreias;
Azul-escuro: artistas que subiram;
Vermelho: artistas que desceram
Preto: artistas que mantiveram a posição



1ª ZÉLIA DUNCAN - 14 músicas (=)
2ª MOSKA - 12 músicas (=)
3ª MARISA MONTE – 11 músicas (=)
4ª CÁSSIA ELLER - 10 músicas (=)
5º CHICO BUARQUE – 9 músicas (=)
6ª RITA LEE – 9 músicas (=)
7ª MARIA BETHÂNIA - 8 músicas (=)
8º DJAVAN - 7 músicas (=)
9º LENINE - 7 músicas (=)
10ª VANESSA DA MATA - 7 músicas (=)
11ª ADRIANA CALCANHOTTO - 6 músicas (=)
12º CAETANO VELOSO - 6 músicas (=)
13º CAZUZA - 6 músicas (+3)
14º LEGIÃO URBANA - 6 músicas (-1)
15ª MARINA LIMA - 6 músicas (-1)
16º NANDO REIS - 6 músicas (-1)
17ª GAL COSTA - 5 músicas (=)
18º GILBERTO GIL - 5 músicas (+10)
19ª ELIANA PRINTES - 5 músicas (-1)
20ª ELIS REGINA - 5 músicas (-1)
21º MILTON NASCIMENTO – 5 músicas (-1)
22ª NARA LEÃO – 5 músicas (-1)
23º OS PARALAMAS DO SUCESSO - 5 músicas (-1)
24º ZECA BALEIRO - 5 músicas (-1)
25º ALCEU VALENÇA - 4 músicas (-1)
26ª ANA CAROLINA - 4 músicas (-1)
27ª DANIELA MERCURY - 4 músicas (-1)
28º ENGENHEIROS DO HAWAII - 4 músicas (+7)
29º FLÁVIO VENTURINI - 4 músicas (-2)
30º SKANK - 4 músicas (-1)
31ª SIMONE - 4 músicas (-1)
32º VINICIUS DE MORAIS - 4 músicas (-1)
33º ZÉ RAMALHO - 4 músicas (-1)
34º CHICO CÉSAR - 3 músicas (-1)
35ª FERNANDA ABREU - 3 músicas (=)
36º GONZAGUINHA – 3 músicas (=)
37º GUILHERME ARANTES - 3 músicas (=)
38º HERBERT VIANNA - 3 músicas (=)
39º IVAN LINS - 3 músicas (+21)
40º JORGE VERCILO - 3 músicas (-1)
41º OS MUTANTES - 3 músicas (-1)
42ª NANA CAYMMI - 3 músicas (-1)
43º PATO FU - 3 músicas (-1)
44º RAUL SEIXAS - 3 músicas (-1)
45ª RITA RIBEIRO - 3 músicas (-1)
46ª ROBERTA SÁ - 3 músicas (-1)
47º TOQUINHO - 3 músicas (+33)
48ª MEMÓRIA INFANTIL: XUXA - 3 músicas (-2)
49ª ALZIRA ESPÍNDOLA - 2 músicas (-2)
50º ARNALDO ANTUNES - 2 músicas (-2)
51º BARÃO VERMELHO - 2 músicas (+41)
52ª BRUNA CARAM - 2 músicas (-3)
53ª BELLÔ VELOSO - 2 músicas (-3)
54º CAPITAL INICIAL - 2 músicas (-3)
55º CARLINHOS BROWN – 2 músicas (-3)
56º CHICO SCIENCE & NAÇÃO ZUMBI - 2 músicas (-3)
57ª CÉU - 2 músicas (-3)
58ª CLARA NUNES - 2 músicas (+43)
59ª ELBA RAMALHO - 2 músicas (-4)
60ª ELIZETH CARDOSO – 2 músicas (-4)
61ª ELZA SOARES - 2 músicas (-4)
62ª FERNANDA TAKAI - 2 músicas (-4)
63º ITAMAR ASSUMPÇÃO - 2 músicas (-4)
64º JAY VAQUER – 2 músicas (-3)
65º JORGE BEN - 2 músicas (-3)
66ª INTERNACIONAL CONVIDADA: JULIETA VENEGAS - 2 músicas (-3)
67º KID ABELHA - 2 músicas (-3)
68ª LEILA PINHEIRO - 2 músicas (-3)
69ª CANTRIZ: LETÍCIA SABATELLA - 2 músicas (-3)
70º LOS HERMANOS - 2 músicas (-3)
71º LULU SANTOS - 2 músicas (-3)
72ª MARIA RITA - 2 músicas (-3)
73ª MONICA SALMASO - 2 músicas (-3)
74º NEY MATOGROSSO – 2 músicas (-3)
75º O RAPPA - 2 músicas (-3)
76º OSWALDO MONTENEGRO - 2 músicas (-3)
77ª PATRICIA MARX - 1 música (-3)
78º PEDRO LUIS E A PAREDE - 2 músicas (-3)
79ª PITTY - 2 músicas (-3)
80º ROBERTO CARLOS – 2 músicas (-3)
81ª SELMA REIS - 2 músicas (-3)
82º TOM ZÉ - 2 músicas (-3)
83º MEMÓRIA INFANTIL: TREM DA ALEGRIA - 2 músicas (-2)
84º VEGA - 2 músicas (-2)

85ª VERÔNICA SABINO - 1 música (+61)
86º WADO – 2 músicas (-3)
87º ADONIRAN BARBOSA – 1 música *ESTREIA
88ª ALICE RUIZ - 1 música (-4)
89ª ANA CAÑAS – 1 música (-4)
90ª ANELIS ASSUMPÇÃO - 1 música (-4)
91ª ANGELA RO RO - 1 música (-4)
92º ANTONIO CARLOS NÓBREGA - 1 música (-4)
93º MEMÓRIA INFANTIL: AQUARIOUS - 1 música (-4)
94º MEMÓRIA INFANTIL: BALÃO MÁGICO - 1 música (-4)
95ª BANDA REFLEXU’S – 1 música (-4)
96ª BEATRIZ AZEVEDO – 1 música (-3)
97ª BETH CARVALHO - 1 música (-3)
98ª BEBEL GILBERTO - 1 música (-3)
99ª BIQUINI CAVADÃO - 1 música (-3)
100º CARLOS MOURA - 1 música (-3)
101ª CARMEM MIRANDA - 1 música (-3)
102º MEMÓRIA INFANTIL: CICLONE - 1 música (-3)
103º CIDADE NEGRA - 1 música (-3)
104º CLAUDIO NUCCI - 1 música (-2)
105º COMADRE FLORZINHA (-2)
106º CORDEL DO FOGO ENCANTADO - 1 música *ESTREIA
107ª DANNI CARLOS - 1 música (-3)
108ª DALVA DE OLIVEIRA – 1 música (-3)
109ª DAÚDE – 1 música (-3)
110º DOMINGUINHOS - 1 música (-3)
111º DORIVAL CAYMMI - 1 música (-3)
112ª INTERNACIONAL CONVIDADA: DULCE PONTES - 1 música (-3)
113º ED MOTTA - 1 música (-3)
114º EDU LOBO - 1 música (-3)
115º EMÍLIO SANTIAGO – 1 música *ESTREIA
116º ERASMO CARLOS - 1 música (-4)
117ª FERNANDA GUIMARÃES - 1 música (-4)
118ª FERNANDA PORTO - 1 música (-4)
119º FRED MARTINS - 1 música (-4)
120º GABRIEL PENSADOR - 1 música (-4)
121º GERALDO AZEVEDO - 1 música (-4)
122º GERALDO VANDRÉ - 1 música (-4)
123ª HELENA ELIS - 1 música (-4)
124º HERÓIS DA RESISTÊNCIA – 1 música (-4)
125º IRA – 1 música (-4)
126ª ISABELLA TAVIANI - 1 música (-4)
127ª KÁTIA B - 1 música (-4)
128ª LEILA MARIA - 1 música (-4)
129º LOBÃO - 1 música (-4)
130ª LUCIANA MELLO - 1 música (-4)
131º LUDOV – 1 música (-4)
132ª CANTRIZ: LUCINHA LINS - 1 música (-4)
133º INTERNACIONAL CONVIDADO: MADREDEUS - 1 música (-4)
134ª MARIA GADU – 1 música (-4)
135ª MARIANA AYDAR – 1 música (-4)
136ª MARTINÁLIA - 1 música (-4)
137ª MAYSA - 1 música (-4)
138ª INTERNACIONAL CONVIDADA: MERCEDES SOSA – 1 música (-4)
139º METRÔ – 1 música (-4)
140º MOINHO - 1 música (-4)
141º MORAES MOREIRA – 1 música (-4)
142ª NA OZETTI - 1 música (-4)
143º NASI - 1 música (-4)
144º NILA BRANCO - 1 música (-4)
145º INTERNACIONAL CONVIDADO: NUNO MINDELLIS - 1 música (-4)
146º OTTO – 1 música *ESTREIA
147ª PAULA FERNANDES - 1 música (-5)
148ª PAULA LIMA - 1 música (-5)
149º PAULINHO DA VIOLA - 1 música (-5)
150º RAIMUNDO FAGNER – 1 música (-5)
151ª RENADA ARRUDA - 1 música (-5)
152º SECOS & MOLHADOS - 1 música (-5)
153ª TAMY – 1 música (-5)
154º TIM MAIA - 1 música (-5)
155° TITÃS – 1 música (-5)
156º TRIO VIRGULINO - 1 música (-5)
157º MEMÓRIA INFANTIL: TURMA DA MÔNICA - 1 música (-5)
158º VANDER LEE - 1 música (-5)
159ª VANGE LEONEL – 1 música (-5)
160ª VANIA BASTOS - 1 música (-5)
161ª WANDERLÉA - 1 música (-5)
162ª ZIZI POSSI – 1 música (-5)


TH - E já já chega Agosto, o mês do "bom gosto" (mente positiva sempre, gente!)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

AMIGO MUSICAL CONVIDADO #8 - Antonio "TOM" Firmino Ferreira! (28/07)

Multi-talentoso, blogueiro consagrado e ótimo profissional


O nosso querido homenageado de hoje tem uma verdadeira razão para ser lembrado neste exato 28 de Julho: é dia de seu aniversário!
Conheci Tonho (Ops, Tom!) em 2004, no grande mar sem fim que é a internet. Ironicamente, na conjuntura na qual nos conhecemos, eu poderia ser capaz de apostar que a amizade não vingaria, pois, apesar da grande afinidade cultural, musical e criativa, ele me aparentou no começo ser alguém sempre "na defensiva". Claro que pensei: "ih...colisões...não vai dar muito certo". Super engano! Até hoje minha diversão diária é zoar demais do elemento via twitter, MSN e telefone, recebendo o merecido troco! Mas, antes de qualquer coisa, há de se exaltar o quanto contamos um com o outro quando a barra de nossas vidinhas pesa...mesmo ele não seguindo meus conselhos, sei que alguma coisa deles consegue reter! rs
Como é dia de "confetear", se eu fosse definir o Tom, diria que é um rapaz com os problemas típicos de sua idade, mas com uma grande visão "pé no chão" pro que a estrada lhe reserva. Lembro-me bem de, na época da faculdade, ele dar seu máximo nos trabalhos em equipe (do curso de Arquitetura) e ficar bravo com o descaso dos demais componentes (a ponto de desejar-lhes amarrados e torturados...rs). Assim é o moço: um doce quando conquistado, mas pise em seus calos pra ver a fera que vira!
Criatividade é um dos seus maiores dons. Desenhos, escritas, música, dança...multimídia como só ele, possui talentos diversificados e aproveita muito bem as oportunidades que lhes são ofertadas. Quase virou um Bro'z (entreguei!), criou os lindos e joiados Culture Rangers (link aqui), os defensores da boa cultura, e está sempre antenado com todas as seleções artísticas/culturais que possam lhe dar a merecida projeção. É...ele possui diferenciais que não podem ser desperdiçados...se fosse por merecimento, o sol já tinha chegado para o garoto há tempos, mas fazê-lo não perder a fé de que esse dia chegará é minha luta diária, por mais que minhas doses de otimismo lhe cansem! rsrs
Sincero, inteligente, independente (ou luta pra ser). leal, abusado, divertido, talentoso, dedicado, auto-rigoroso...e amigo. Diferente do que pensei ab initio, para sempre :)
P.s.: Ele acertadamente escolheu uma das melhores e mais representativas músicas da infância de qualquer um. Muito bem =]

Toquinho: presente na infância de muitos adultos saudosos!

***********************************************
Eu nem sei o porque de ter demorado tanto a responder esta pergunta... a resposta esteve na minha frente todo o tempo.
"Aquarela" é minha música favorita de todos os tempos. Fala comigo de muitas maneiras... seja como criança, seja como adulto, seja como pessoa romântica que já acreditei ser, seja como artista, seja como arquiteto, seja simplesmente como TOM que sou.
A primeira vez que a ouvi, lembro perfeitamente: tinha seis anos e, na casa de minha saudosa vó Nila, meu tio Hermane me chamou, que queria me apresentar alguém. Fui, bem curioso, e não encontrei ninguém com ele no quarto. E ele me mostrou um LP (sim, aquela época era dos LPs, mesmo) do Toquinho. Imediatamente, fiquei ressabiado - comigo, era só Xuxa, Angélica, Balão e Trem... mas logo fui vencido pelos primeiros acordes... parecia mágica.
A letra que falava em materiais de desenho, em imaginação e criatividade ressonaram forte no pequeno desenhista que estava a escutar. Ao final daqueles quatro minutos e um quarto, eu estava chorando. E pedi pro tio Hermane repetir a música. E repetir. E repetir... Foram cinco vezes, interrompidas pelos meus pais, que queriam ir embora para casa.
No ano seguinte, viria a primeira (ao menos, pra mim) propaganda da Faber Castell utilizando a música. Não é preciso dizer que eu já caçava o tal disco feito louco... E consegui, ora só... três aos e meio depois, em meu décimo aniversário - 28 de julho de 1993, ao simplesmente passar por uma loja de discos e encontrar "O Melhor de Toquinho".
Musicalmente falando, Toquinho não é dos melhores cantores... nem tem uma das melhores vozes que já ouvi na vida. Mas é um p**a violonista e um compositor prolífico e eficiente, com faro pra boas rimas e versos inusitados. E soube se aproveitar de todos os seus pontos fortes e fracos pra criar esta pequena obra-prima, que é dificílima de cantar e/ou de interpretar. Cada nota saída de seu violão tem um quê de mágico, tem um quê de mistério e outro quê de amargura disfarçada, como um pai tentando disfarçar sua tristeza perante um filho sorridente. Os outros instrumentos - especialmente os canutilhos da bateria - ajudam a criar a atmosfera lúdica ideal pra canção...
A cada ano, mais uma propaganda da Faber Castell se utilizava da canção - e ela é perfeita, mesmo, para isso. Mas a propaganda não surtia mais o mesmo efeito em mim. A canção havia mudado de sentido, completamente.
O grande poder dessa canção, percebi logo, era o fato de ser uma canção adulta - e muito adulta - disfarçada de conto infantil. E a canção fala com as mais variadas pessoas das mais variadas formas, o que é maravilhoso - e até, mesmo, o que busco alcançar quando componho, escrevo, desenho ou projeto algo.
Você pode interpretar "Aquarela" em sua forma literal - as mais variadas formas de se utilizar materiais de desenho e brincar com sua imaginação... pode enxergar na letra uma enorme resistência às mudanças da vida - o ciclo do nascimento à morte, da inocência ao "conhecimento"... sejam as mudanças bruscas, seja o próprio fato de CRESCER... pode enxergar a infância do ponto de vista de um adulto soturno e amargurado (que espero não me tornar)... enfim...
E é (só) por isso (tudo) que "Aquarela" é a minha música!

ANTONIO ELIAS FIRMINO FERREIRA, O TOM


Merchan:

Tom Ferreira
Arquiteto e Urbanista


http://cantinhodotom.blogspot.com/ - Cantinho de uma mente perturbada (blog)
http://4culturerangers.blogspot.com/ -Culture Ranger Azul!
http://cronch.blogspot.com/ - textos bem rápidos... apenas exercício de linguagem


***************************

AQUARELA
Toquinho.
Toquinho, Maurizio Fabrizio, Vinícius de Moraes, Guido Morra

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo.
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva,
E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva.
Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel,
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu.


Vai voando, contornando a imensa curva Norte e Sul,
Vou com ela, viajando, Havai, Pequim ou Istambul.
Pinto um barco a vela branco, navegando, é tanto céu e mar num beijo azul.
Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená.
Tudo em volta colorindo, com suas luzes a piscar.
Basta imaginar e ele está partindo, sereno, indo,
E se a gente quiser ele vai pousar.

Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida.
De uma América a outra consigo passar num segundo,
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo.
Um menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente, a esperar pela gente, o futuro está.
E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar,
Não tem tempo nem piedade, nem tem hora de chegar.
Sem pedir licença muda nossa vida, depois convida a rir ou chorar.

Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá.
O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar.
Vamos todos numa linda passarela
De uma aquarela que um dia, enfim, descolorirá.

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo (que descolorirá).
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo (que descolorirá).
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo (que descolorirá).

TH - Dá um RT quem, igual ao Tom, também lembra da Faber Castell! :D





segunda-feira, 26 de julho de 2010

TEATRO DE LIRISMO ENCANTADO (26/07)

Cordel do Fogo Encantado: linguagem popular folclórica acessível por letra, música e apresentações teatrais

Mês passado fiz uma breve resenha sobre o grupo nordestino "Comadre Florzinha". Ao lado dele, posso colocar a turma de Arco-Verde (PE), "Cordel do Fogo Encantado", pois a estrutura de ambos é semelhante: bandas pernambucanas que proliferam músicas recheadas de enfoques culturais e folclóricos país e mundo afora; com instrumentais eminentemente nordestinos e apresentações teatro-musicais de deixar o queixo caído! A diferença é que, enquanto Comadre se concentra potencialmente nos vocais femininos, no Cordel quem dita mesmo é a "macharada".
A equipe é constituída por José Paes Lira na voz e no pandeiro, Clayton Barros no violão e voz, de Emerson Calado na percussão e voz, de Nego Henrique, idem e de Rafa Almeida bis-idem. Iniciaram seus trabalhos em 1997 (tal qual Comadre Florzinha) e fizeram sua estreia para um público maior no carnaval de 1999 em Pernambuco. Para quem não conhece, considero o carnaval pernambucano um mix cultural com direito a vários estilos harmônicos entre si - frevo, baião, maracatu, samba, ciranda, coco-de-roda, marchinhas. E no meio disso tudo, cantores consagrados da nossa MPB gentilmente entrando no clima (Maria Bethânia fez história em 2007 quando participou da abertura oficial do Carnaval daquele ano) e bandas experimentais democraticamente estreando. Foi o que aconteceu ao Cordel, pois graças ao show, tiveram a primeira projeção nacional e, a partir daí, os rapazes conseguiram o reconhecimento merecido.
Gravaram o primeiro disco com supervisão e benção de Naná Vasconcellos e desde então foram conquistando público e crítica. E tome premiações! banda revelação pela APCA (2001) e os de melhor grupo pelo BR-Rival (2002), Caras (2002), TIM (2003), Qualidade Brasil (2003) e o bi-campeonato do Prêmio Hangar (2002 e 2003)...
Quem quiser mais informações sobre a banda, acessem o site oficial da mesma e conheçam seu excelente trabalho. http://www.cordeldofogoencantado.com.br/
P.s.: O show deles é surpreendente. Lembro de uma apresentação em Dezembro de 2004 aqui em Maceió, e graças a ela eu conheci meu grande amigo aé hoje Plinius Buenos Ayres, também fã do grupo e de música de boa qualidade. Vejam como música une as pessoas! :)


A MTV ajudou na exposição do trabalho dos rapazes.


ORIGEM DO NOME (segundo os mesmos)

O "cordel" na região nordeste é sinônimo de história em forma de poesia.
Para os integrantes, o "fogo" é o elemento natural mais representativo da suas existências, devido a sua cidade, seu lugar de origem e da sua intenção musical e poética inconstante e mutável.
O "encantado" ressaltaria a visão apocalíptica e profética dos mistérios entre o céu e a terra
.

****************************************
CHOVER (ou invocação para um dia líquido)
Cordel Do Fogo Encantado
Composição: Lirinha; Clayton Barros


"O sabiá no sertão
Quando canta me comove,
Passa três meses cantando
E sem cantar passa nove
Porque tem a obrigação
De só cantar quando chove*

Chover chover
Valei-me Ciço o que posso fazer
Chover chover
Um terço pesado pra chuva descer
Chover chover
Até Maria deixou de moer
Chover chover
Banzo Batista, bagaço e banguê

Chover chover
Cego Aderaldo peleja pra ver
Chover chover
Já que meu olho cansou de chover
Chover chover
Até Maria deixou de moer
Chover chover
Banzo Batista, bagaço e banguê

Meu povo não vá simbora
Pela Itapemirim
Pois mesmo perto do fim
Nosso sertão tem melhora
O céu tá calado agora
Mais vai dar cada trovão
De escapulir torrão
De paredão de tapera**

Bombo trovejou a chuva choveu

Choveu choveu
Lula Calixto virando Mateus
Choveu choveu
O bucho cheio de tudo que deu
Choveu choveu
suor e canseira depois que comeu
Choveu choveu
Zabumba zunindo no colo de Deus
Choveu choveu
Inácio e Romano meu verso e o teu
Choveu choveu
Água dos olhos que a seca bebeu

Quando chove no sertão
O sol deita e a água rola
O sapo vomita espuma
Onde um boi pisa se atola
E a fartura esconde o saco
Que a fome pedia esmola**

Seu boiadeiro por aqui choveu
Seu boiadeiro por aqui choveu
Choveu que amarrotou
Foi tanta água que meu boi nadou***

*Zé Bernardinho
**João Paraíbano
***Toque pra boiadeiro


TH - Reflete realidade do Nordeste com pura arte!


quarta-feira, 21 de julho de 2010

TEMA DE NOVELA # 1 - Romantismo em TIETA (21/07)

Começando com o pé direito, falando da trilha da inesquecível adaptação do livro de Jorge Amado.

Inicia-se hoje uma seção do EnTHulho que visa falar de uma de minhas grandes paixões: a sonoplastia da teledramaturgia!
Se música tem por obrigação sublinhar a vida da gente, é claro que ela também deve se fazer presente nas de personagens tão ricos como os que temos nas nossas novelas. As cenas tornam-se mais atraentes e charmosas com temas de fundo bem escolhidos, que, por sua força, conseguem até conduzir ações e destacar personagens. Em todos os momentos - românticos, agitados, melancólicos e até de vilania, a música se faz presente cumprindo seu papel de enriquecimento cênico. E uma trilha sonora bem refinada tem todo o mérito nisso!
Na nova seção, vou procurar fugir da obviedade e ser honesto com meu gosto pessoal, elencando temas que amo e considero ideais aos personagens. Mais um lembrete: por mais que o título da seção fale de novelas, estendo também a demais produções brasileiras (séries, especiais, filmes...).
Nada mais justo que começar com um dos maiores e arrebatadores sucessos de nossa teledramaturgia. É quase uma regra: quando uma produção traz personagens fortes, carismáticos e bonitos, numa história bem contada e interessante e ainda por cima pontua com música de qualidade, estamos diante de um grande sucesso. Tieta, com louvor, foi inesquecível!
Além de ter uma gama de personagens bem carismáticos e um enredo genial que permanece vivo na memória afetiva de muitos noveleiros, a trama de Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares contava ainda com uma trilha sonora perfeita e bem harmônica, é até hoje lembrada por grandes sucessos como Meia Lua Inteira (Caetano), No Rancho Fundo (Chitãozinho & Xororó), Coração do Agreste (Fafá de Belém), Uma Nova Mulher (Simone), Tieta (Luiz Caldas - o festejado tema de abertura), Luar do Sertão (Roberta Miranda) dentre tantos outros que eram executados à exaustão na tevê e nas rádios do país em 1989. A parte romântica da novela trouxe uma balada das mais bonitas que já ouvi: a acertada parceria entre Verônica Sabino e Emílio Santiago, "Tudo o que se quer", que embalava certeiramente as cenas românticas de Ascânio (Reginaldo Faria) e Leonora (Lídia Brondi), e é a versão brasileira feita por Nelson Motta para o clássico "All I Ask Of You" de Andrew Lloyd Webber (tema de "Fantásma da Ópera"). Particularmente, eu acho esse dueto e essa versão uma das coisas mais sensíveis e lindas de nossa MPB, e eu elejo como a melhor música das duas trilhas de Tieta.
P.s.: Opinião estritamente pessoal. Conheço pessoas que amam Tieta e se lembram primeiro do tema da abertura, ou da música da Fafá...acho que comecei com o pé direito a seção, escolhendo uma novela que dá abertura a tantas opiniões e gostos diversificados em sua trilha ;)


Uma bela e entrosada parceria da MPB

**********************************************

TUDO O QUE SE QUER
Emílio Santiago e Verônica Sabino

Versão: Nelson Motta



Emilio:
Olha nos meus olhos
Esquece o que passou
Aqui neste momento
Silêncio e sentimento
Sou o teu poeta
Eu sou o teu cantor
Teu rei e teu escravo
Teu rio e tua estrada

Verônica:
Vem comigo meu amado amigo
Nessa noite clara de verão
Seja sempre o meu melhor presente
Seja tudo sempre como é
É tudo que se quer

Emilio:
Leve como o vento
Quente como o sol
Em paz na claridade
Sem medo e sem saudade

Verônica:
Livre como o sonho
Alegre como a luz
Desejo e fantasia
Em plena harmônia

Emilio:
Eu sou teu homem, sou teu pai, teu filho
Sou aquele que te tem amor
Sou teu par, o teu melhor amigo
Vou contigo seja aonde for
E onde estiver estou

(Ambos):
Vem comigo meu amado amigo
Sou teu barco neste mar de amor
Sou a vela que te leva longe
Da tristeza, eu sei, eu vou
Onde estiver estou
E onde estiver estou



TH - Bons duetos devem ser assim ;)


domingo, 18 de julho de 2010

AMIGO MUSICAL CONVIDADO #7 - Chimene Chiara! (18/07)

Atipica e linda! *.*


Kimene Xiara? Ximene Xiara? Xi? Ki?

Não importa a maneira que errassem a pronúncia de seu nome, ela ficaria brava de todo jeito! rs
A dona da seção de hoje, além de linda, tem espaço cativo na vida de TH, e vem provando isso dia após dia...
Nosso aniversário tem como diferença o prazo processual computado de dois dias, o que não é suficiente para nos auferir as mesmas características. Costumo dizer que ela é uma pisciana completamente atípica - do nosso signo, carrega o largo flerte com a melancolia e um pouco da porção sonhadora tão "peixes" de ser. Mas, diferente de mim (e dos demais representantes da última casa zodiacal), Chimene é mais realista, pé no chão, consciente, direta e rígida - com as outras pessoas e consigo mesma. E ainda que por dentro não aparente essa segurança toda, sua armadura assim lhe faz parecer. Vitoriosa. :)
Fomos parceiros advogados por algum tempo e reconheço tudo o que aprendi dessa sociedade. A moça pode até achar que não, mas eu reti com afinco todas as lições que ela - à sua maneira, conseguiu me imprir. É preciso mesmo ter maturidade para enxergar como as pessoas que nos amam querem nos ver vencer.
Nossa cumplicidade vem de longe: da faculdade, dos trabalhos em equipe, das horas e mais horas de papo nos banquinhos de lá, antes do início das aulas (menos quando ela chegava com aqueles óculos escuros-abelha e a cara trancada - ai de quem desrespeitasse seu momento de silêncio!), do MSN, dos encontros da turma que eu raramente ia (risos) e eu tenho o maior orgulho de dizer que, depois de graduados, ela ficou - e dentre tantos outros que poderiam ter permanecido.
Há algo mais a ser destacado: como é linda a parceria dela com sua mãe, D. Gardênia. É uma relação familiar deliciosa, tão pouco vista hoje em dia. E, por fim, seu talento para escrita, criando aquelas poesias e textos corretos, nos momentos certos, além de ser mesmo uma advogada formidável e a primeira que penso quando preciso de um help. :D
Só me resta agradecer com essas singelas palavras e desejar sempre tudo de bom pra linda garotinha, que tem a faca e o queijo na mão pra ser feliz - na vida pessoal e profissional. :)
Sempre serei muito grato. A tudo.
Adoro a participação de amigos tão queridos nessa seção do blogue. Riqueza e alegria! ;)

Ivan Lins canta a trilha musical afetiva de Chimene



************************************

Vitoriosa...
Essa música algumas vezes faz parte da trilha sonora da minha vida.
Dos momentos em que ligo o FODA-SE!
Momentos em que tomo as rédeas da situação e o resto do mundo é um reles personagem...
Encontro-me segura de mim, confiante e até mesmo debochada, confesso!
Sorrindo vou contagiando...
Gargalhando vou divertindo...
Divertindo-me vou passando um ar de segurança e alta estima maravilhosas, muito mais visíveis e latentes aos que me observam que a mim mesma...
Vitoriosa no papel de protagonista “anônima” acostumada a ser sempre coadjuvante no teatro da vida, que deixa a timidez de lado e ganha os holofotes por alguns minutos.
Sei que posso ser e que sou vitoriosa, afinal já a fui várias vezes e a continuo sendo quando me disponho a sê-la, basta vencer minha constante inconstância...

E Ivan Lins consegue traduzir bem isso por mim. :)

CHIMENE CHIARA

*******************************
VITORIOSA
Ivan Lins
Composição: Ivan Lins / Vitor Martins

Quero sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser maravilhosa...

Quero sua alegria escandalosa
Vitoriosa por não ter
Vergonha de aprender como se goza...

Quero toda sua pouca castidade
Quero toda sua louca liberdade
Quero toda essa vontade
De passar dos seus limites
E ir além, e ir além...

Quero sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser maravilhosa
Que a vida pode ser maravilhosa...

Quero toda sua pouca castidade
Quero toda sua louca liberdade
Quero toda essa vontade
De passar dos seus limites
E ir além, e ir além...

Quero sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser maravilhosa
Que a vida pode ser maravilhosa...


TH - Pode e sempre será! ;)





sexta-feira, 16 de julho de 2010

DO BATUQUE PARA O VOCAL (16/07)

O pernambucano Otto, no disco que o projetou, "Samba Pra Burro" (1998)


Se formos parar pra pensar em bateristas famosos que largaram as baquetas e assumiram a posição de vocais, nos remetemos imediatamente a Phill Collins, David Growl...mas logo a seguir nos perguntamos se há em nossa música exemplos assim.
Bem, não é exatamente um baterista, mas Otto largou a percussão de Chico Science & Nação Zumbi pra progredir como músico e se apresentar ao resto do país num excelente início: o grande disco "Samba Pra Burro", de 1998; a partir de então, cantando e compondo.
Um tipo bem incomum para o Nordeste (loiro de olhos azuis), Otto causou surpresa e admiração logo de cara com uma criativa mistura de elementos musicais diversos (drum n' bass, maracatu, samba), com efeitos sonoros eletrônicos, num trabalho bem inventivo-empolgado que lhe rendeu os maiores reconhecimentos possíveis. E até então sempre se manteve coeso em seus lançamentos posteriores, sobretudo no disco lançado pela MTV (2005). Ele também ganhou fama por namorar a talentosa atriz Alessandra Negrini por muitos anos.
Em 2004, na gélida Garanhuns (cidade de Pernambuco assustadoramente fria por conta de sua altitude), em pleno Festival de Inverno em Garanhuns, tive a oportunidade de contemplar o trabalho de Otto de perto. Quando digo perto, quero dizer primeira fila mesmo. A energia ao vivo do cantor é muito estimulante e ele se esmera, dando seu suor pra fazer o espetáculo ser inesquecível. Literalmente, diga-se de passagem, já que o cantor sua de verdade no palco e lembro bem daqueles respingos suodorentos caindo em...irc...mim.
P.S.: A letra de Bob, música que escolhi abaixo, é repleta de citações a lugares de Recife, como CDU, Ibura, Ipsep...

TH testemunhou de perto (literalmente) o suor do trabalho de Otto

****************************************

BOB
Otto

Ela é do tempo do bob lá do Pina de Copacabana
Ela é do tempo do bob lá do Pina de Copacabana
De tarde na praia o que ela gosta é de fumar e beijar seu noivo de tarde na praia o que ela gosta é de fumar e bejar seu noivo.
Ela é do tempo do bob lá do Pina de copacabana
Ela é do tempo do bob lá do Pina de copacabana
De tarde na praia o que ela gosta é de fumar e beijar seu noivo de tarde na praia o que ela gosta é de fumar e bejar seu noivo.

É Macaxeira, Imbiribeira, Bom Pastor,
É o Ibura, Ipsep, Torreão, Casa Amarela,
Boa Viagem, Genipapo, Bonifácio, Santo Amaro,
Madalena, Boa Vista, Dois irmãos, é o Cais do porto,
É Caxangá, é Brasilit, Beberibe, CDU,
Capibaribe e o Centrão, Rios.

TH - Lugares que um dia hei de voltar! ;)


terça-feira, 13 de julho de 2010

DIA DO ROCK: BREVE PASSEIO PELO ESTILO NO BRASIL! (13/07)


O Rock brasileiro destaca-se por ser igual ao país: vasto. Sofre influência (e ritmos) de todas as regiões. Também, tal qual o Brasil, é extremado – tem momentos de conversa séria e protestos mesclados com outros totalmente dedicados a bobagens e frivolidades.
Nem de longe pensem que ícones do rock brazuca são seres sublimes e inalcançáveis: nossos heróis nacionais chegam a ser os mais trapalhões de todo o mundo, pois nascem, chegam ao estrelato e decaem, por vezes de maneira bastante vergonhosa. Mas o legal disso é que assumem publicamente. São os músicos mais genuínos possíveis! Levam as derrotas como meras “cagadas” de carreira e já se aprontam pro próximo passo. Essa coisa quase “caseira” que as bandas possuem acaba sendo uma característica normal, aceitável e os aproxima bem mais do público.
Hoje, dia do rock, resolvi fazer um TOP 25 com bandas ou movimentos de rock brasileiro, fazendo-lhes uma breve apresentação e registrando sua importância pra história do estilo no país. Claro, não deu pra elencar tudo, mas se faz oportuna, logo abaixo, uma pequena e esboçada lista de “menções honrosas”. Como num festival de rock, deixo aberto o espaço pros comentários, e podem me avacalhar à vontade por conta de minhas considerações. Rock e respeito nunca andaram de mãos dadas, mesmo! ;)

******************************************************


1) MUTANTES
Antes mesmo de pensar nas bandas da lista, esta já me veio à cabeça como o primeiro lugar. Sérgio Dias, Arnaldo Baptista e Rita Lee estiveram à frente de uma jóia rara, contemporânea aos Beatles e Beach Boys (na minha opinião, com muito mais genialidade e criatividade). Os “Xuxuzinhos” misturavam rock, sertanejo, forró e letras esquizofrênicas, criando vários hinos que foram depois gravados por muita gente. Discussões internas, estranhamento no foco pessoal/profissional e a demissão de Rita, anos luz depois substituída por Zélia Duncan numa “retomada” mostram que, a despeito de todos os defeitos, a banda criou algo tão original que fica com a merecida medalha de liderança!



2) LEGIÃO URBANA

Legião tem a forte crítica social, as declarações de amor pros bofes de Renato, a coerência dos álbuns e a unanimidade a seu favor. É a banda mais lendária do rock brasileiro, com o líder certo, no tempo certo. Discos pesados, melancólicos, românticos, letras eternizadas, retóricas oportunas, metáforas geniais, shows idem. E tome “beber água da fonte” com uma infinidade de canções póstumas descobertas, “últimos shows imortais”, etc..etc...



3) SEPULTURA



Está aqui para situar – e muito bem – o Brasil no mundo do Metal, desde 1984! Sepultura é a banda brasileira de maior visibilidade lá fora, donos de um legado muito forte e um grande respeito (eu disse respeito ?)nesse ramo do rock. Medalha de bronze pra eles!




4) TITÃS



Fiz uma matéria completa da banda paulista no mês passado, que pode ser vista aqui. Músicas ótimas, várias fases, com altos e baixos. Com músicos excepcionais (chegando até a oito, em determinado período ), Titãs detém o título de maior banda ainda atuante do rock nacional, representando São Paulo ao lado de Ira!, Fica em quarto lugar!



5) O RAPPA

Não vamos entrar no mérito se o Rappa era uma banda de reggae, de rock, de rock reggae. O rock brasileiro nunca foi linear – sempre teve influências de outros estilos em determinado ponto. O Rappa está em quinto lugar, pois, de todas as bandas desta lista, eles são os que mais põem em prática tudo aquilo que pregam em suas letras. Trabalhos sociais fiscalizados, críticas políticas ratificadas, atitudes que realmente importam. Para quem considera um elogio, eles são o nosso “U2



6) SKANK





Parto do mesmo princípio do Rappa para definir o Skank. A banda liderada por Samuel Rosa começou como “tchacundum” e mudou radicalmente seus estilos a cada disco lançado. Em termos de prestígio, Skank fez história e até hoje os mineiros são referência para novatos.



7) RAUL SEIXAS




O esoterismo marca presença no rock nas mãos de Raul Seixas, que explodiu na década de 70, trazendo o universo Hippie e seus hinos ripongas que cultuaram a cabeça e sublinharam o deboche anárquico dos adolescentes daquela década.



8) SECOS & MOLHADOS




O rock é feroz, mas consegue ser docinho quando é usado pra “musicar poesias”, coisa que a banda dos anos 70, liderada por João Ricardo e com Ney Matogrosso como vocalista, fazia com louvor!



9) PARALAMAS DO SUCESSO




A banda liderada por Herbert Vianna, dentre suas contemporâneas, sempre foi a mais bem colocada nas paradas, fazendo jus a seu nome, com clássicos absolutos. Manteve-se no auge nas décadas de 80 e 90, tendo o inicio de sua derrocada na de 2000. O público já não era o mesmo, Herbert havia sofrido um acidente, não havia espaço na música brasileira pra seus hits sempre tão bem certeiros...mas o carinho pessoal pela grande trajetória do grupo é muito forte ;)



10)CHICO SCIENCE & NAÇÃO ZUMBI




Chegamos ao Nordeste, e o aeroporto pousa logo ao lado das plantações sempre úmidas com caranguejos andando lado a lado nos lamaçais. CS&NZ, de Pernambuco, eternizou o conhecido movimento “mangue-beat”, que misturava percussão nordestina e guitarras pesadas, conquistando fãs e críticas. A maioria dos roqueiros de outras vertentes fecha a cara para a importância do movimento, mas até hoje tem bastante força.



11) NOVOS BAIANOS E INVASÃO NORDESTINA



O rock na Bahia tem cara de mistura. E os ingredientes levam baião, choro, afoxé, frevo, bossa-nova e por incrível que pareça, um tal de rock and roll! E, de seu fim, naqueles anos derradeiros dos 70, saíram vários artistas que se consagrariam com boas carreiras na MPB, casos de Pepeu Gomes, Moraes Moreira e Baby Consuelo. Já a entitulda “invasão nordestina” dá-se pela arriscada tentativa de misturar estilos bem ortodoxos ao rock – inventado por alguns músicos da região Fagner, Zé Ramalho, Belchior...



12) PLANET HEMP




Dentre as bandas dos anos 90, a liderada por Marcelo D2 é lembrada por sua postura engajada em prol da legalização da maconha e por todas conseqüências legais acarretadas por isto. Em um determinado momento, D2 alegou que não era mais usuário, e só cantava para encher mesmo o saco (an-ham, senta lá, Cláudia), e, logo em seguida, surpreendeu público e crítica transformando-se num músico de verdade, passeando “careta” por outros estilos como samba. Ganhou e manteve respeito!




13) RAIMUNDOS


Uma das bandas mais geniais de nosso rock. Esqueçam as letras pornográficas, Esqueçam o fim abreviado pela “evangelização” de Rodolfo. A mistura de rock punk com forró fez a cabeça e a adolescência de muitos garotos na década de 90. Popularizou o estilo Punk, no Brasil, sempre tão underground como a banda de João Gordo, “Ratos de Porão



14) PITTY



Sei que várias pessoas irão torcer o nariz por ver a Pitty representando o estilo, mas pensem: hoje, quem é a roqueira brasileira? Querendo ou não, Pitty tem a atitude, a aparência e os palavrões. Além de músicas bombando na rádio ao lado de Lady Ga Ga e adjacências. A baiana, à sua maneira, ajuda a não sepultarem ainda o estilo nos dias de hoje.



15) KID ABELHA




O rock pode ser pop? O pop pode ser rock? Alheia a quaisquer discussões infindáveis sobre o que pode ou não no rock brasileiro, Paula Toller sempre esteve a frente de uma verdadeira máquina de fazer hits apaixonados e inspirados. E o tempo só fez bem à vocalista, sempre mais bonita. Já à banda...



16) LOS HERMANOS




A banda criada no fim da década de 90 é da lista, a mais “MPB-ROCK existente. Tanto batalharam que conseguiram se destituir do injusto posto de mera “one hit band” (Anna Julia) e adquiriram, à força, respeito e agrado de todos.



17)CHARLIE BROWN JR. E DEMAIS SKATE-BANDS

Não, não gosto nem nunca gostei de Charlie Brown Jr. A banda santista liderada por Chorão aparece aqui apenas por conseguir um feito: a partir dela, tivemos inúmeras “pseudo-CBJrs” surgindo, como Detonautas, CPM 22, O Surto e muitas outras. Reconheço e dou o devido mérito ao trabalho nos paulistanos, é puramente questão de gosto pessoal mesmo.




18) JORGE BEN JOR






Criador de um novo estilo musical, o “samba-rock”, além de flertar com ritmos não necessariamente brasileiros, o carioca tem uma inigualável importância para a música brasileira e é sempre bem vindo em qualquer homenagem.



19) CLUBE DE ESQUINA




– A trupe de Minas Gerais tem uma vertente mais beatlemaníaca em seu estilo musical. Desde já vamos desassociando o rock de músicas com guitarreira pesada, que historicamente ele não é assim! O grupo/movimento musical era liderado por Milton Nascimento e Lô Borges



20) JOVEM GUARDA X TROPICÁLIA






Antes era apenas uma dupla: Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Ambos eram campeões imbatíveis de um estilo de rock que ‘imitava’ o americano, com hits lendários como “Calhambeque”. A Rede Record pegou carona e, através de um programa chamado “Jovem Guarda”, liderado pelo “Rei Roberto’, Erasmo e Wanderléa. proliferou o estilo, dando emprego a muita gente como Renato e seus Blue Caps (quer coisa mais americana?), Jerry Adriani e tantos outros mais. Não, não gosto da Jovem Guarda, mas em atenção a meus pais, ela aparece na 20ª posição. Concomitante ao movimento, Elis Regina e Jair Rodrigues lideraram. do lado de outros artistas da MPB, um protesto contra o estilo. Surgiu assim, a seguir, o movimento entitulado Tropicália – remanescentes da Bossa Nova atuando com mentes pensantes e reacionárias como as de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, e com presença muito marcante dos Mutantes e, logo depois assumidos pelos Doces Bárbaros. Eles não eram rock nas melodias ou nos instrumentais, mas em termos de atitude. Ganharam inúmeros festivais, foram importantes demais para todos os jovens com ideais naqueles tempos. Faziam no Brasil a fase mais “pensante” de nossa música, onde os protestos apareciam em metáforas ou em citações diretas mesmo. Oposição exata ao rock despretensioso, bobinho e gringo da Jovem Guarda.


21) CAPITAL INICIAL


A banda de Dinho Ouro Preto, antes denominada “Aborto-Elétrico” é a que mais resume com exatidão o rock brasileiro: começo, auge, encher rabo de dinheiro, ostracismo, morte, renascimento, recuperação de fôlego e vida estável.


22) CAZUZA E BARÃO VERMELHO




São Hours Concours em qualquer classificação, mas seria injusto não citá-los aqui. Tudo o que tenho para dizer sobre Cazuza está aqui!



23) ENGENHEIROS DO HAWAII




A banda do boçal Humberto Ghessingher representa muito bem o Rio Grande do Sul no cenário roqueiro do Brasil. Também escrevi sobre eles aqui.


24) BANDAS EMO-CORE


Começaram a surgir no país em 2003 e são as atuais representantes do “roque”. Não tenho nada para considerar sobre as mesmas, a não ser citá-las: Fresno, NX Zero...tem mais?













25) CELLY CAMPELO


Claro que eu não deixaria de fora a princesinha do rock. Celly foi uma verdadeira pérola que reproduzia – bem antes da Jovem Guarda, os maiores hits estrangeiros em versões brazucas. A única pisada de bola da saudosa garota foi abandonar o mundo do rock e virar uma “dona de casa que cuidava do marido”.


















MENÇÕES HONROSAS:


IRA!
NENHUM DE NÓS
REPLICANTES
ULTRAJE A RIGOR
MAMONAS ASSASSINAS
PLEBE RUDE
MUNDO LIVRE S/A
GABRIEL PENSADOR
PEDRO LUIS E A PAREDE
SÁ, RODRIX & GUARABYRA
MAGAZINE & KID VINIL
TUTTI FRUTI
RITA LEE CARREIRA SOLO
CÁSSIA ELLER
PATO FU
R.P.M.
ANGRA & SHAMAN


TH - Insone, produzindo de madrugada!

segunda-feira, 12 de julho de 2010

AMIGO MUSICAL CONVIDADO #6 - Paulo Victor Oliveira (12/07)

"Emocional não é circunstancial, mas condicional" PVO

Esse meu querido amigo, estudante de Economia da Ufal tem, dentre tantas coisas outras em comum comigo, a maneira sincera ao se expressar quando escreve e o flerte com a melancolia.
Falando deste sentimento em específico, sempre encontrei beleza na melancolia. Músicas tristes, com pianos docemente dedilhados e violinos inspirados sempre me fizeram ter orgasmos musicais múltiplos, mas eu percebi que é um campo deveras perigoso. Minha experiência de vida me fez ter a certeza de que: "a ausência dói? não se deve, por isso, perder a vontade de viver. Devemos prosseguir, reconstruindo nossa auto-estima com perseverança, lutando contra tudo aquilo que nos faz sentir causadores de nossas desgraças e ruínas.". Hoje só tenho uma pequena paquerinha com a melancolia. Namoro firme mesmo é com a vontade de viver.
Voltando ao dono da seção de hoje, se puder lhe passar alguma mensagem positiva, é que sempre olhe dentro de si e afaste qualquer tipo de sentimento negativo ou pessimista; e que perceba o quanto é talentoso, escreve bem (estreou seu blogue, Estrelas Salpicadas, semana passada) , é inteligente e possui um excelente gosto musical, que o faz hoje enriquecer o nosso EnTHulho, trazendo mais uma parceira certeira do cenário brasileiro: Clara Nunes e Adoniran Barbosa. Há a necessidade de sempre valorizarmos aquilo que nos é bem caro. Não há porque perder o desejo de um ideal positivo; precisamos, sim, apreciarmos nossos pontos mais poderosos e seguir algum norte.
Sempre existe um.
;)


Adoniran Barbosa, estreando no EnTHulho

***************************************
Quando terá começado o meu flerte com a melancolia? Não sei. Mas as minhas mais remotas lembranças musicais são de canções tristes feito uma viagem só de ida para o desconhecido. A canção que segue, antes de ouvi-la no rádio ou no disco, ouvi entoada por minha mãe. Um primor de melodramaticidade, numa corda bamba entre o trágico e o cômico. Senhoras e senhoras, seguidores do EnTHulho, "Iracema", de Adoniran Barbosa.


PAULO VICTOR OLIVEIRA


***************************************
IRACEMA
Adoniran Barbosa
Adoniran e Clara Nunes


Iracema, eu nunca mais eu te vi
Iracema meu grande amor foi embora
Chorei, eu chorei de dor porque
Iracema, meu grande amor foi você
Iracema, eu sempre dizia
Cuidado ao travessar essas ruas
Eu falava, mas você não me escutava não
Iracema você travessou contra mão
E hoje ela vive lá no céu
E ela vive bem juntinho de nosso Senhor
De lembranças guardo somente suas meias e seus sapatos
Iracema, eu perdi o seu retrato.
- Iracema, fartavam vinte dias pra o nosso casamento
Que nóis ia se casar
Você atravessou a São João
Veio um carro, te pega e te pincha no chão
Você foi para Assistência, Iracema
O chofer não teve curpa, Iracema
Paciência, Iracema, paciência

E hoje ela vive lá no céu
E ela vive bem juntinho de nosso Senhor
De lembranças guardo somente suas meias e seus sapatos
Iracema, eu perdi o seu retrato


TH - Positividade como lema, antes. :)


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...